AMURT AMURTEL é finalista no PROJETO GENEROSIDADE – EDITORA GLOBO

Associação Beneficiente de Amurt-Amurtel_Page_1Associação Beneficiente de Amurt-Amurtel_Page_2

Caros Amigos,

A Associação Beneficente de Amurt Amurtel com a Creche Ananda Marga Universo Infantil (Jd. Guarani), foi agraciado com reportagem da revista Crescer da Editora Globo.

A Editora Globo tem o Projeto Generosidade, onde premia varias ONG’s de todo Brasil, que para eles são projetos de Trabalhos Transformadores, na área da educação, saúde, moradia, etc.; utilizam suas doze revistas para promover estas ações.

De 400 projetos, nossa Creche foi selecionados entre os 10 finalistas.

Estamos muito orgulhosos em poder compartilhar com nossos amigos e colaboradores, porque tudo que conseguimos alcançar, é devido ao apoio de vocês.

Muito obrigado por deixar isto acontecer.

São Paulo, Maio/2013.

Didi Jaya

CONHEÇA MAIS SOBRE O PROJETO:

Anúncios

AÇÃO SOCIAL: Creche Amurt Amurtel é notícia na Revista Crescer

Educação do corpo e da mente 

Creches públicas de ONG indiana ensinam conceitos como vegetarianismo, ioga e sustentabilidade a crianças da periferia de São Paulo

Por Carmen Guerreiro | Fotos Raoni Maddalena

crescer1

Periferia da capital paulista. As largas avenidas se transformam em ruas, que ficam cada vez mais estreitas e tortuosas até formar vielas de favelas. Entre os barracos e casas modestas, avista-se o colorido sobrado com a placa da prefeitura que identifica uma pequena creche. O CEI (Centro de Educação Infantil) Universo Infantil, localizado no Jardim Guarani, na zona norte, é uma das cinco instituições mantidas pela ONG Internacional Ananda Marga Universal Relief Team (Amurt-Amurtel) na cidade. À primeira vista, parece uma escola de educação infantil tradicional, com trabalhos de crianças espalhados pelas paredes, mobília em miniatura, brinquedos e livros. Mas alguns detalhes aqui e ali fazem o visitante perceber que há algo diferente. Como a plaquinha de madeira entalhada onde se lê a expressão hindi “Namaskar” (a divindade em mim reconhece a divindade que há em você, em tradução livre) encontrada em diversas salas da creche sustentável. Em funcionamento desde o início de 2011, o CEI possui um sistema de aproveitamento de água da chuva (que gera, em média, uma economia de 6 mil litros por mês), aquecedor de água solar, horta e jardim vertical e piso de borracha feito de pneus reciclados. A pintura do prédio, que foi reformado com materiais de demolição, é com tinta à base de terra e atóxica (que saiu 90% mais barata do que a convencional). A reforma privilegiou a iluminação e a ventilação natural e os forros da cozinha e do refeitório receberam isolamento térmico feito com embalagens Tetra Pak. 

crescer2

Mas as diferenças vão além do espaço físico. Ali, as crianças são educadas segundo uma filosofia propagada pela Ananda Marga no mundo inteiro: o neo-humanismo. Criada e difundida pelo filósofo indiano P. R. Sarkar, essa pedagogia busca envolver paralelamente o físico e o espiritual das crianças. E isso não tem nada a ver com religião. “Desenvolvemos a criatividade por meio de uma educação holística”, afirma a economista filipina Didi Jaya, em um português com forte sotaque, coordenadora das creches em São Paulo (elas também estão presentes em outros estados, como Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro). Isso significa, na prática, trabalhar com a interdisciplinaridade: escolhe-se um tema e, a partir dele, exploram-se diversos aspectos. Em julho, por exemplo, os alunos estudaram a preservação do meio ambiente. As atividades envolveram teatro, uma experiência científica com gelo para compreender os estados físicos da água, uma oficina para fazer brinquedo com lixo reciclado, entre outras. As crianças ainda trouxeram de casa a sua fruta preferida para estudar as sementes e seus nutrientes. “Mas o mais importante é saber ouvir o que elas têm a dizer”, acredita Didi, que é voluntária da ONG no Brasil há 15 anos e ajudou a levantar, tijolo por tijolo, cada uma das creches. 

crescer3

Na capital paulista, a Ananda Marga “ouve” 500 crianças de 0 a 4 anos de comunidades pobres – a fila de espera chega a dobrar o número de vagas existentes. Como as creches são conveniadas, elas recebem parte dos recursos necessários da prefeitura. Em troca, têm a liberdade de contratar quem quiser e de escolher o projeto pedagógico, desde que siga o cronograma do município. As professoras são pagas e registradas, mas 70% do trabalho é voluntário. 

 

Shantala, ioga e nada de carne 

 Além da filosofia neo-humanista, a Ananda Marga aplica outros métodos vindos da Índia. O primeira é a shantala, um tipo de massagem para bebês, que tem a função de tranquilizá-los por meio do contato pele a pele. Nas creches da ONG em São Paulo, elas são realizadas pelas professoras uma vez por semana. Já as crianças maiores, a partir dos 3 anos, participam de aulas de ioga semanais, onde aprendem as famosas posturas que imitam animais, a meditar e a controlar a respiração. O princípio dessas duas artes é flexibilizar e acalmar o corpo e, por consequência, a mente.

Outro princípio difundido pela ONG no Brasil é a alimentação vegetariana. As cinco refeições servidas diariamente nas creches não contêm carne, nem ovos (que também são considerados uma forma de vida). O cardápio, que é planejado por uma nutricionista e aprovado pela prefeitura, inclui iogurte natural feito na creche (cuja receita é muito requisitada pelos pais), carne de soja, tortas, arroz e feijão, entre outros vegetais. Tudo temperado com ervas que os próprios alunos plantam. A prefeitura oferece uma parte dos alimentos, que é comum a todas as creches conveniadas, e a ONG complementa com cereais, bolachas integrais, sucos, frutas e mais delícias. Didi faz questão de cuidar de perto da alimentação dos pequenos. Além de fazer a polenta que é servida às segundas-feiras, ela vai pessoalmente às feiras de rua da região na hora em que estão terminando para conseguir frutas e verduras mais baratas ou doadas.


As crianças aprovam: dos bebês aos maiores, todas raspam o prato. A dona de casa Cássia Helena Pinheiro, mãe de Breno, 3 anos, teve receio em relação ao cardápio sem carne no começo. “Mas ele está muito saudável e é isso o que importa”, diz. 

Mais cultura, menos religião 

O vegetarianismo e a filosofia neo-humanista, obviamente, causam estranhamento nas comunidades. Por isso, desde a matrícula, as diretoras das unidades deixam claro que não professam dogmas religiosos. E embora a maioria dos pais e professores das creches seja evangélica, todos ficam à vontade ali. Ana Paula da Silva, mãe da aluna Samiry, 3 anos, é uma delas. A princípio, também estranhou a comida e a didática, mas hoje está segura ao observar a desenvoltura da filha. “A Samiry tem muito mas facilidade para aprender as coisas hoje”, comenta. “Isso é importante para nós, pois queremos que as famílias sintam que somos a segunda casa das crianças”, afirma Didi. E ela já está craque em aprender as regras da comunidade. Certa vez, equipamentos foram roubados do local e a coordenadora procurou o líder do tráfico da favela. Em pouco tempo, encontraram os culpados e os objetos foram devolvidos. “É preciso ir com cuidado, senão você assina seu certificado de morte”, diz. Mesmo a aproximação com as famílias é feita aos poucos, para criar confiança. “Só depois que abraçamos os pais é que podemos dar bronca.” 


O abraço é forte, porque as creches se tornam uma referência onde se instalam. Didi dribla a falta de oportunidades dos alunos fazendo saídas pedagógicas, mas para isso depende de doações e parcerias. No Dia das Crianças do ano passado, por exemplo, conseguiu uma doação de 2 mil brinquedos para as comunidades. Além disso, um dos aliados ofertou passeios e móveis para os refeitórios. Outro amigo da coordenadora fecha, uma vez por ano, uma sala de cinema para as crianças. O carro usado por eles também é doado. 


E para angariar o que falta ao orçamento, a ONG ainda promove cursos (ioga, shantala, etc.) e eventos beneficentes, como jantares vegetarianos. Toda a equipe, das faxineiras às gestoras, é convidada a participar. Para Didi, falta de dinheiro não é desculpa para uma educação sem qualidade. “Nosso maior esforço é fazer as crianças sonharem. Só assim elas vão se esforçar para sair da difícil realidade em que se encontram hoje”, acredita.

crescer4Ver reportagem em: http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI324501-10496,00-EDUCACAO+DO+CORPO+E+DA+MENTE.html

VEJA TAMBÉM:

AÇÃO SOCIAL: Meiry Kamia promove treinamentos para cuidadoras das Creches Amurt Amurtel em São Paulo

Todos os anos a empresa Meiry Kamia – Consultoria, Treinamento e Desenvolvimento, promove treinamentos especiais para as cuidadoras das Creches Amurt Amurtel localizadas na região do Guarapiranga e 3 unidades na Zona Norte de SP (Jd. Peri Alto e Brasilândia).

Contando com a colaboração mais que especial da psicóloga organizacional Alessandra Magnavita, o programa  trabalhou os seguintes tópicos:

·         INICIATIVA

·         COMUNICAÇÃO

·         RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

·         COLABORAÇÃO

VEJA TAMBÉM:

AÇÃO SOCIAL: Creche municipal tem ioga e massagem para crianças na zona norte de SP!

Marcelle Souza
Do UOL, em São Paulo

09/05/201306h00

Turma de alunos do CEI (Centro de Educação Infantil) Lar de Crianças Ananda Marga durante a aula de ioga, que acontece uma vez por semana. A prática faz parte de uma série de atividades que buscam desenvolver aspectos físicos e emocionais. A creche fica no Jardim Peri, zona norte de São Paulo, e atende 111 crianças de zero a 3 anos

Turma de alunos do CEI (Centro de Educação Infantil) Lar de Crianças Ananda Marga durante a aula de ioga, que acontece uma vez por semana. A prática faz parte de uma série de atividades que buscam desenvolver aspectos físicos e emocionais. A creche fica no Jardim Peri, zona norte de São Paulo, e atende 111 crianças de zero a 3 anos

Ao som de mantras, a professora fecha as cortinas e reduz a iluminação dentro da sala. No chão, eles relaxam em colchonetes dispostos um ao lado do outro. Poderia ser uma aula de ioga em qualquer estúdio especializado, mas os alunos têm cerca de 3 anos e a prática acontece em uma creche conveniada à rede municipal de ensino de São Paulo.

 O CEI (Centro de Educação Infantil) Lar de Crianças Ananda Marga, administrado pela ONG Amurt-Amurtel, está localizada no Jardim Peri, zona norte de SP, em uma área cercada por favelas. “Vemos muitos casos de violência doméstica e de pais que estão presos, então a creche precisa ser um espaço de acolhimento para essas crianças”, afirma a diretora Silvia Helena de Oliveira.

Para se adaptar aos pequenos iogues, as duas professoras contam histórias para ensinar as posturas para a turma de oito alunos.  A aula começa com um “passeio na nuvem”, em seguida, o grupo faz a saudação ao sol (uma das sequencias mais conhecidas da ioga), passa para uma série de posturas e, então, fecha os olhos para o relaxamento.

Em uma das últimas etapas da aula, as crianças fazem massagens no rosto, nos braços e nos pés dos colegas. A prática, realizada uma vez por semana em cada turma, é utilizada para desenvolver a parte física e emocional dos alunos.

“O objetivo é estimular a criatividade, a autoestima, o desenvolvimento do caráter dessas crianças”, explica Didi Ananda Jaya, coordenadora de projetos da Amurt-Amurtel em São Paulo. A ONG adota a filosofia neo-humanista, que, segundo a instituição, busca a transformação do indivíduo em um ser mais saudável, solidário, ativo, compassivo e consciente do seu papel na sociedade.

Os alunos do CEI (Centro de Educação Infantil) Lar de Crianças Ananda Marga têm aula de ioga uma vez por semana. ?Vemos muitos casos de violência doméstica e de pais que estão presos, então a creche precisa ser um espaço de acolhimento para essas crianças?, afirma a diretora Silvia Helena de Oliveira Leonardo Soares/UOL

Os alunos do CEI (Centro de Educação Infantil) Lar de Crianças Ananda Marga têm aula de ioga uma vez por semana. ?Vemos muitos casos de violência doméstica e de pais que estão presos, então a creche precisa ser um espaço de acolhimento para essas crianças?, afirma a diretora Silvia Helena de Oliveira Leonardo Soares/UOL

Turma de alunos do CEI (Centro de Educação Infantil) Lar de Crianças Ananda Marga durante a aula de ioga, que acontece uma vez por semana. A prática faz parte de uma série de atividades que buscam desenvolver aspectos físicos e emocionais. A creche fica no Jardim Peri, zona norte de São Paulo, e atende 111 crianças de zero a 3 anos Leonardo Soares/UOL

Turma de alunos do CEI (Centro de Educação Infantil) Lar de Crianças Ananda Marga durante a aula de ioga, que acontece uma vez por semana. A prática faz parte de uma série de atividades que buscam desenvolver aspectos físicos e emocionais. A creche fica no Jardim Peri, zona norte de São Paulo, e atende 111 crianças de zero a 3 anos Leonardo Soares/UOL

A hora do toque

Aluno do berçário do CEI (Centro de Educação Infantil) Lar de Crianças Ananda Marga durante a shantala, uma massagem indiana. A creche fica no Jardim Peri, zona norte de São Paulo, e atende 111 crianças de zero a 3 anos Leonardo Soares/UOL

Aluno do berçário do CEI (Centro de Educação Infantil) Lar de Crianças Ananda Marga durante a shantala, uma massagem indiana. A creche fica no Jardim Peri, zona norte de São Paulo, e atende 111 crianças de zero a 3 anos Leonardo Soares/UOL

Enquanto os mais velhos praticam ioga, o berçário é preparado para a shantala, uma massagem indiana para bebês. A iluminação é reduzida e as professoras ficam em silêncio: a aula será apenas pelo toque, e a sala é invadida pelo cheiro do óleo de essência lavanda.

O bebê deita sobre as pernas da professora, que tira a sua roupa e começa a massagem. No início agitado, ele vai aos poucos relaxando e sente o toque nos braços, em cada um dos dedos das mãos, nas pernas, nos pés, nas costas… E então começa a dormir.

Todas as crianças do berçário recebem a massagem uma vez por semana. A ideia, dizem os professores, é fazer com que se sintam acolhidos na sala de aula e tenham um momento de carinho no ambiente em que ficam durante boa parte do dia. A técnica também é ensinada para as mães.

“Até os 3 anos, eles estão começando a viver a sua personalidade, as relações interpessoais, as relações familiares, então é importante que encontrem acolhimento no ambiente escolar para brincar, cantar, correr, pular e para todos os tipos de expressão”, afirma a professora e pesquisadora da Faculdade de Educação da USP, Maria Letícia Nascimento.

Boas-vindas

Alunos do CEI (Centro de Educação Infantil) Lar de Crianças Ananda Marga participam do "círculo do amor", uma acolhida "zen" antes do café da manhã. A creche fica no Jardim Peri, zona norte de São Paulo, e atende 111 crianças de zero a 3 anos Leonardo Soares/UOL

Alunos do CEI (Centro de Educação Infantil) Lar de Crianças Ananda Marga participam do “círculo do amor”, uma acolhida “zen” antes do café da manhã. A creche fica no Jardim Peri, zona norte de São Paulo, e atende 111 crianças de zero a 3 anos Leonardo Soares/UOL

No início de cada aula, eles se reúnem para o “círculo do amor”, um momento “zen” de boas-vindas antes do café da manhã. Eles cantam, batem palmas, fazem saudações ao sol, à natureza e agradecem pela presença dos colegas. Nas paredes da sala, estão desenhos, fotos e atividades sobre família, a casa e o bairro em que os alunos moram.

A unidade atende 111 crianças com até 3 anos e 11 meses, que ficam na creche em período integral. São, em média, 45 vagas abertas por ano na unidade e é a prefeitura quem faz distribuição delas.

“O ideal seria que em todas as creches as crianças tivessem a oportunidade de se expressar, de falar da família, da sua casa e do que fez no final de semana”, diz a professora da USP, que é especialista em educação infantil.

Além das práticas, a alimentação no CEI Ananda Marga é vegetariana, repleta de frutas e verduras, e feita sob a orientação de um nutricionista da ONG e outro profissional da Prefeitura de São Paulo.

Outras três creches administradas pela ONG pertencem à rede municipal de ensino e adotam a mesma linha pedagógica. Elas funcionam na zona norte e na zona sul de São Paulo.

Em abril deste ano, cerca de 110 mil crianças esperavam por uma vaga em creches da cidade.

Veja matéria em: http://educacao.uol.com.br/noticias/2013/05/09/creche-municipal-de-ioga-e-massagem-na-zona-norte-de-sao-paulo.htm

VEJA TAMBÉM:

O Projeto Amurt Amurtel precisa de ajuda – Saiba como ajudar:

O Projeto Amurt Amurtel precisa de ajuda para continuar transformando pessoas e contribuindo para uma sociedade mais justa e amorosa.

Qualquer ajuda é bem-vinda!

Recursos materiais:

  • Fraldas descartáveis
  • Papel higiênico
  • Material de limpeza

Material pedagógico:

  • Papel Sulfite
  • Papel Crepon
  • Tintas Guache
  • Pincéis
  • Cartolinas
  • Massinhas de modelar
  • Cola, etc.

Recursos Financeiros:

  • Banco do Brasil: 001; Agência 4353; conta corrente 50021-6; Favorecido: Associação Beneficente Amurt-Amurtel
  • Banco Bradesco: 237; Agência 2792-8; conta corrente 11458-8; Favorecido: Associação Beneficente Amurt-Amurtel

Contato com a creche “Ananda Marga”: 11-3984-9857 (Andréa)

Contato com o CCA ”Caminhante do Céu”: 11-3982-6388 (Débora)

Links Relacionados:

Projeto Social no Jardim Peri Alto – clique aqui

Objetivos do Projeto Social no Jardim Peri – clique aqui

Atividades Realizadas em 2009 – clique aqui

Objetivos do Projeto Social no Jardim Peri Alto

 O Jd. Peri Alto localiza-se na Zona Norte da Cidade de São Paulo, SP, e caracteriza-se por uma alta densidade populacional e extrema pobreza agravada pela ausência de recursos sociais suficientes para atender a população existente. As moradias são dos mais variados tipos, ou seja, vão desde casas de alvenaria, passando pelas de madeiras, até chegar aos barracos, mas precários. O saneamento básico ainda não contemplou toda a favela, o que facilita a incidência de doenças afetando principalmente as crianças e adolescentes, já vitimizados pela carência alimentar sem o acesso devido aos recursos de saúde, seja para tratamento preventivo ou curativo, com alto número de crianças e adolescentes excluídos de atendimento social, educativo, de lazer,  cultural e de saúde. A violência e o tráfego de drogas estão evidenciados diariamente nos diferentes veículos de comunicação, necessitando a região, desta forma, definir locais onde as crianças e adolescentes possam ficar em segurança, recebendo informações e formação para o seu pleno desenvolvimento.

Os Projetos CEI LAR DE CRIANÇA ANANDA MARGA e CCA CAMINHANTE DO CÉU é uma alternativa de grande valor para a comunidade local, evitando que seus filhos fiquem sob a mira dos traficantes e evitando conseqüentemente uma morte prematura. Quanto aos recursos sociais existentes, podemos dizer que a região possui Creches, Escolas Estaduais e Municipais, Postos de Saúde, Hospital, porém insuficiente para o uso da população moradora.

A Associação Beneficente de Amurt Amurtel propõe atuar como articuladora e fomentadora de espaços de inclusão social para combater situações de injustiça e negligencia vivida por crianças e adolescentes que estão em situações de vulnerabilidade e risco desta comunidade, dando respaldo também as famílias.

OBJETIVOS GERAIS

  • Respeitar a integridade e os direitos das crianças e adolescentes, consideradas nas suas diferenças individuais, sociais, econômicas, culturais, étnicas, religiosas;
  • Proporcionar o direito das crianças e adolescentes, de brincar, como forma particular de expressão, pensamento, interação e comunicação infantil;
  • Proporcionar às crianças acesso aos bens sócio-cultural disponíveis, ampliando o desenvolvimento das capacidades relativas à expressão, comunicação, à interação social, ao pensamento, à ética e à estética;
  • Oferecer um espaço de socialização das crianças por meio da sua participação e inserção nas mais diversificadas práticas sociais, sem discriminação de espécie alguma;
  • Atender aos cuidados essenciais associados à sobrevivência e ao desenvolvimento de sua identidade;
  • Incentivo ao adolescente a permanência na escola com freqüência regular e melhora aproveitamento do aprendizado.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

  • Desenvolvimento a capacidade da criança de maneira heterogênea, pois é um trabalho, orientado pela educação Neo-Humanista, que tem por função criar condições para o desenvolvimento integral de todas as crianças, considerando, também, as possibilidades de aprendizagem que apresentam nas diferentes faixas etárias.
  • É através do brincar que a criança e Adolescente desenvolve as suas capacidades de ordem física, afetiva, cognitiva, ética, estética, de relação interpessoal e inserção social.
  • As capacidades de ordem física estão associadas à possibilidade de apropriação e conhecimento das potencialidades corporais, ao auto-conhecimento, ao uso do corpo na expressão das emoções, ao deslocamento com segurança. Serão realizadas atividades físicas, jogos, exercícios, prática de esportes em grupo, danças, de forma a desenvolver a força, a coordenação e o equilíbrio, além de lições de posturas de yoga.
  • As capacidades de ordem cognitivas estão associadas ao desenvolvimento dos recursos para pensar, o uso e a apropriação de formas de representação e comunicação envolvendo resolução de problemas. As capacidades de ordem afetiva estão associadas à possibilidade de produção artística e apreciação desta produção oriunda de diferentes culturas.

As capacidades de ordem ética estão associadas á possibilidade de construção de valores que norteiam a ação das crianças. As capacidades de relação interpessoal estão associadas à possibilidade de estabelecimento de condições para o convívio social. Isso implica aprender a conviver com as diferenças de temperamento, de intenções, de hábitos e costumes, de cultura etc. As capacidades de inserção social estão associadas à possibilidade de cada criança perceber-se como membro participante de um grupo de uma comunidade e de uma sociedade.

  • Desenvolver diferentes trabalhos práticos de modo que a criança e Adolescente:
    • Desenvolva uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com confiança em suas capacidades e percepções de suas limitações;
    • Descubra e conheça progressivamente seu próprio corpo, suas potencialidades e seus limites, desenvolva e valorize hábitos de cuidados com a própria saúde e bem-estar;
    • Estabeleça vínculo afetivo e de troca com adultos e crianças, fortalecendo sua auto-estima e ampliando gradativamente suas possibilidades de comunicação e interação social;
    • Estabeleça e amplie cada vez mais as relações sociais, aprendendo aos poucos a articular interesses e pontos de vista com os demais, respeitando a diversidade e desenvolvimento atitudes de ajuda e colaboração;
    • Observe e explore o ambiente com atitude de curiosidade, percebendo-se cada vez mais como integrante, dependente e agente transformador do meio ambiente e valorizando atitudes que contribuam para sua conservação;
    • Participe de um conteúdo ecológico que se dá pela demonstração das leis da natureza. Em contato com as plantas, o solo, a água, os animais, respeite o equilíbrio ecológico.
    • Brinque e expresse emoções, sentimento, pensamentos, desejos e necessidades;
    • Utilize as diferentes linguagens (corporal, musical, plástica, oral e escrita) ajustadas às diferentes intenções e situações de comunicação, de forma a compreender e ser compreendido, expressar suas idéias, sentimentos, necessidades e desejos e avançar no seu processo de construção de significados, enriquecendo cada vez mais sua capacidade expressiva. Tendo em conta a orientação neo-humanista, são favorecidas as atividades que desenvolvam a sensibilidade, criatividade, a intuição, a fantasia, de forma a expandir a mente dos educandos, viabilizando um estado mais sutil de consciência. Diariamente são desenvolvidos trabalhos artísticos, com aulas de música, canto, pintura, dramatização livre e dirigida, colagem, etc. Nestas atividades são desenvolvidos ritmo e harmonia, favorecendo o convívio em grupo, o respeito aos semelhantes e à natureza.
    • Conheça algumas manifestações culturais, demonstrando atitudes, respeito e participação frente a elas e valorizando a diversidade.
  • Criar um ambiente de cuidado que considere as necessidades das diferentes faixas etárias acompanhando todo o processo de desenvolvimento físico que atenda às necessidades e características das crianças.
  • Considerando que um dos fatores mais importantes para uma boa saúde é a dieta alimentar balanceada e nutritiva. A alimentação oferecida é balanceada e elaborada por nutricionista, oferecendo-se quatro refeições ao dia buscando a utilização das diversas fontes de nutrientes e vitaminas.
  • Orientar em relação à higiene e saúde é um trabalho que se estende aos pais e a toda a comunidade.

 

Links Relacionados:

Objetivos do Projeto Social no Jardim Peri – clique aqui

Atividades Realizadas em 2009 – clique aqui

Como Ajudar? – clique aqui

Projeto Social – Atividades Realizadas em 2009

  • Assistência a criança de 1 anos a 3 anos e 11 meses, através da Educação Infantil
  • Aulas ministrada na creche, em período diurno integral, de segunda à sexta-feira
  • Assistência a crianças e Adolescentes de 4 a 11 anos em ½ período com atividades diversas para melhor desenvolvimento social, cultural dos indivíduos
  • Interação comunitária por meio de eventos sócio culturais:
  • Festa Junina (as crianças fazem apresentações de dança, realizamos também o concurso de Miss e Mister Caipira e Rei e Rainha da Pipoca com premiações)
  • Festa das Crianças (em comemoração ao dia das crianças realizamos pela manhã um concurso de pintura para toda a comunidade em que podem participar todas as crianças de 4 a 12 anos de idade. A melhor pintura de cada faixa etária recebe um prêmio. No período da tarde realizamos gincanas e atividades recreativas, depois da diversão as crianças recebem um lanche e cada um recebe brinquedo)
  • Festa de Natal: distribuímos para toda a comunidade panetones, bolos e uma cesta básica e para as crianças da creche realizamos uma campanha de apadrinhamento, cada criança recebe de seu padrinho roupas, sapatos e brinquedos
  • Funcionamento do “clube de Mães” com reuniões interativas destinadas à melhoria bio-psicológica de suas integrantes, através de atividades como:
  • curso de auto-estima (abordagem, suporte psicológico, caminhos para soluções de problemas, novos paradigmas sociais)
  • Criação de estratégias para ampliação das oportunidades no mercado de trabalho
  • Distribuição de roupas e calçados semi-novos para a comunidade
  • Doação de cobertores em parceria com o Fundo Social
  • Distribuição de leite em parceria com o Ministério da agricultura e Abastecimento, através do programa “Viva Leite”, com 90 famílias sendo beneficiadas mensalmente
  • Parcerias na área da saúde:
  • Dentista Dr. Alessandro (faz tratamento periódico e prevenção)
  • Palestra sobre higiene bucal com profissionais da área
  • Conscientização sobre os direitos da mulher através de palestras com profissionais da área jurídica
  • Aulas de yoga e relaxamento para crianças
  • Excursões ao Jardim Zoológico, Parque da Mônica, Parque Ibirapuera, e algumas vezes ao ano cinemas e teatros.

Projeto Social no Jardim Peri Alto – clique aqui

Objetivos do Projeto Social no Jardim Peri – clique aqui

Como ajudar – clique aqui